Afinal, O que é lugar de fala?

djamila ribeiro



  • O Que é Lugar de Fala?
  • Djamila Ribeiro
  • Editora Letramento (Selo Justificando)
  • 111p. (Livro de bolso)
  • 2017


  • por Anne Caroline Quiangala


    "O que é lugar de fala?" é um livro de bolso de autoria da filósofa paulista Djamila Ribeiro e que faz parte da Coleção Feminismos Plurais organizada por ela, numa parceria entre a editora Letramento e o portal Justificando. Nesta rápida conversa temos a proposição dum diálogo acessível mantendo o rigor e honestidade intelectual característicos de Ribeiro.

    O IMPACTO DA OBRA


    À medida que fui lendo, imaginei o quanto a representatividade da Djamila Ribeiro ("Mulheres Negras devem ter nome e sobrenome") nas redes sociais pode atrair jovens da educação básica para esta leitura e, de forma sutil, demonstrar a forma e a lógica de argumentação acadêmica sem traumas e hierarquias que um primeiro semestre de faculdade tende a promover. Essa franqueza, desde o prefácio, certamente mostrará novas perspectivas às jovens e, possivelmente, romperá com aquelas histórias do feminismo que insistem em dividir em três ondas de protagonismo branco

    Pra mim, o primeiro capítulo Um pouco de história foi assertivo ao oferecer o percurso de luta de intelectuais Negras, desde o século XIX. O marco inicial proposto por Djamila Ribeiro foi o emblemático discurso proferido por Sojourner Truth "E não sou uma mulher" em 1851. A autora analisa o discurso evidenciando o pioneirismo de Truth em questionar a universalização da categoria "mulher" na experiência de branquidade. Antes que a leitora se conforte com a referência estadunidense, Ribeiro já tece um diálogo com a socióloga brasileira Lélia Gonzales (contemporânea de Angela Davis) trazendo ao centro uma questão fundamental ao feminismo acadêmico:

    "A feminista negra reconhecia a importância do feminismo como teoria e prática no combate às desigualdades, no enfrentamento ao capitalismo patriarcal e desenvolvendo buscas de novas formas de ser mulher" (RIBEIRO, 2017, p. 25).

    Ao trazer um panorama histórico, Djamila Ribeiro refuta o conceito dominante de "epistemologia" e de "intelectual" e transcende uma argumentação pura e simples à medida que legitima a produção de mulheres Negras latino-americanas. Sua escolha de citações aproximam as pessoas que não estão familiarizadas e também propõem uma revisita para quem conhece. A filósofa concorda com bell hooks ao afirmar que sofisticação intelectual é completamente aplicável a uma prática política, uma vez que "intelectual é aquela que une pensamento à prática para entender sua realidade concreta" (RIBEIRO, 2017, p.28). Por meio de sua escrita ela ainda denuncia as inversões discursivas e outros estratagemas de manutenção da hegemonia.

    Sua crítica à linguagem excludente também se dá em dois níveis: a teoria e a demonstração que atravessa o livro inteiro. Por "demonstração" entendo que a forma de compartilhar teorias complexas como a do ensaio "Pode o Subalterno Falar?", de Gayatri Spivak, dialogando ainda com o Quem pode falar?  e A Máscarada Grada Kilomba, naturaliza o fato de que qualquer pessoa é capaz de compreender a Teoria, desde que o objetivo de quem escreve seja ser compreendida.




    TEORIA SEM TEMOR


    No segundo capítulo, Mulher Negra: O outro do Outro, Djamila Ribeiro mantém o ritmo e o tom, mas se aprofunda nos conceitos de mulher, alteridade, diferença, masculinidade e branquidade que são os pilares do pensamento que ela vai construindo junto à leitora. Ela explica cada premissa, passando pelos textos clássicos de Hegel e Simone de Beauvoir e avançando por meio de questionamentos relacionados à nossa vivência: de que homens estamos falando? (p. 39) ou quem são os todos e quantos cabem nesse todo? (p.41).

    Ao falar de mulheres Negras como produtoras de conhecimento, Ribeiro faz um raciocínio alternativo se comparado àqueles clássicos; uma rota pautada em Kilomba, que questiona qualquer universalização, seja de homem ou de mulher. Admitir que não há fixidez significa compreender que homens negros e brancos não usufruem do mesmo capital social e político, assim como mulheres negras e brancas possuem status diferentes nas relações de trabalho e mesmo no mapa da violência.

    Djamila Ribeiro nos apresenta pontos cruciais d' O segundo sexo, de Simone de Beauvoir, desde a construção da "mulher" como Outro do "homem" até a manutenção dessa inferiorização simbólica materializada nas relações. Tal reflexão, Ribeiro reitera, é correta, embora incompleta porque este caminho teórico invisibiliza performances de poder que as categorias "homens negros" e "mulheres brancas" são, contextualmente, investidas. Evidenciado isso, a autora explica o conceito de "forasteira de dentro" (outsider within) da socióloga estadunidense Patricia Hill Collins, contextualizando a relação histórica entre feministas brancas e negras.

    AFINAL, O QUE É LUGAR DE FALA?


    Pegando o gancho de sua ampla experiência nas redes sociais, Djamila Ribeiro descreve o conceito de lugar social e de discurso como edificadores do real, tanto na esfera simbólica, quanto concreta. Sendo assim, ela destrincha as causas e as consequências das posições sociais simbólicas, indo na matriz de opressões, e desvelando questões de transparência (ou não) entre desejo, interesse e poder.

    Sem querelas ("porque quem querela não pensa direito!"), ela desmistifica os discursos que buscam esvaziar o conceito de Lugar de fala, bem como sua importância. No último capítulo, Todo mundo tem lugar de fala, temos uma perfeita explanação de questões complexas como "Pode o subalterno falar?", implicações acadêmicas e práticas, incluindo na micropolítica.

    Se você quer entender esse "negócio" que todo mundo cita, tá hypado e pouca gente compreende - seja você uma iniciada ou não - eu mais do que recomendo esse ótimo ensaio. E mais: não tem como sair dessa leitura sem repensar o hábito naturalizado de hierarquizar opressões. 

    Garanto que depois dessa leitura, seus almoços tretas de domingo não serão mais os mesmos.




    Compre "O que é lugar de fala" pelo nosso Link!

    2 comentários:

    1. Esse é um livro sobre o qual ia e voltava no texto para compreender e tentar naturalizar alguns conceitos, aqueles que pretendo que façam parte de meu repertório por acreditar que vão me tiorto um ser humano melhor

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ei Don! então, acredito que o exercício é constante, ninguém tá pronta ou pronto. Eu também li e reli, porque é um livro denso! abraço!

        Excluir

    Antes de comentar, leia nossa política de comentários!

    Tecnologia do Blogger.