Heathers E A Noção De Como A Sociedade Lida Com Suicídio.


Acredito que a esse ponto vocês devem ter notado que eu sou um tanto quando fã de musicais. Afinal um texto sobre o Tony, maior premiação de teatro musical, fiz um vídeo sobre Hamilton e outro sobre musicais pelos quais você pode começar adescobrir o incrível mundo dos musicais.


por Camila Cerdeira

Eu sou parte da comunidade de teatro musical e sempre muito importante continuar estudando esse universo, então estou em um grupo online que se formou para ver um musical por semana e debater, algo como um clube do livro, só que de musicais. E durante o mês de setembro escolhemos musicais que lidam com questões de saúde mental e suicídio. O que me levou a ver Heathers (Atração Mortal é o nome nacional do filme), um musical e filme que eu estava evitando ver por muito tempo.

Eu tenho medo do efeito 13 Reasons Why, que algum produto midiático, seja série, filme, musical ou o que quer que seja tente falar do tema, mas não tenha o cuidado necessário e acabe com um coletivo de fãs que distorcem a mensagem original e acabam romantizando o que não deveria. E Heathers tem um potencial enorme para ser esse tipo de conteúdo.

Originalmente um filme de 1988 que vai contar a história de uma adolescente, a Veronica, ela é amiga desse trio de garotas populares que todas têm o nome de Heather e eu pessoalmente só separo ela pela cor da roupa. Por que apesar delas terem sobrenomes, elas também se vestem feito Power Rangers em um só tom e obviamente a líder é a Heather vermelha. A escola onde a história se passa é a definição de ambiente tóxico, as Heathers são as originais mean girls e Regina George tem claras inspirações na Heather vermelha.
O ponto é que a Veronica não gosta das Heathers, mas está com elas por uma questão de sobrevivência. E como é uma comédia adolescente, existe o interesse amoroso da protagonista, JD. Ele nos é apresentado numa cena onde ele briga com dois jogadores de futebol americano que estão tentando fazer bullying com ele e a situação é resolvida com JD puxando uma arma na cafeteria da escola e atirando balas de festim. Viram por que eu estou preocupada desse filme ser um desastre?




O musical dá uma suavizada inteira nessa questão da arma e a cena vira só uma briga casual, também tem uma melhor explicação da dinâmica da escola e de como Veronica se junta as Heathers. O que mais me atraiu nessa comedia de humor sombrio é como eles lidam com as questões de suicídio.

Logo no início do filme/musical a Heather vermelha morre e é forjado uma situação de suicídio. E rola uma gigantesca comoção na escola, se fala sobre como existe toda essa pressão para se ser perfeito, como você nunca é capaz de saber quem realmente está passando por problemas, por que todo mundo coloca um sorriso falso e mantem as aparências e ninguém se deu ao trabalho de entender o que de fato acontecia na mente de Heather até ela morrer.

Só que o espectador sabe que não acontecia nada na cabeça de Heather e ela era só uma garota privilegiada que usava do seu privilégio para pisar e torturar as pessoas ao seu redor, ela não tinha problemas psicológicos, ela não tinha pensamentos suicidas e ela não questionava sua existência ou valor.
Só que esse falso suicídio começa a gerar que outras pessoas se abram e revelem que de fato tem problemas, que se sentem inadequadas. Como é o caso da Heather amarela, que é líder de torcida, mas está passando por problemas em casa e de fato está se sentindo solitária e perdida. E apesar das pessoas falarem como queriam ter feito algo pela Heather vermelha quando escutam a confissão da Heather amarela toda a escola, incluindo amigos dela fazem é ridiculariza-la o que a leva a tentar o suicídio, que não ocorre por que a Veronica intervém. Uma segunda personagem acaba tentando suicídio também e sobrevivendo, Martha, uma garota que sofria gordofobia, era completamente isolada e sem amigos, constantemente ridicularizada pelos populares e sua tentativa de suicídio é considerada pelos personagens do filme como “mais uma nerd tentando imitar a moda dos populares e falhando”.



E você deve estar se perguntando, mas Camila como você pode gostar desse filme/musical? Ele tem tudo para dar errado. Verdade, o fato dele ser uma comedia sombria faz com que seja muito fácil que o espectador não se atente a real mensagem que a história está passando. E por isso que eu resolvi escrever esse texto.

A verdade é que Heather é um perfeito exemplo do que é a nossa sociedade, chega setembro e começam as campanhas de Setembro Amarelo e todo mundo está preocupado em falar sobre suicídio e doenças mentais, por que é importante, pessoas abrem seus inbox mesmo sem preparo algum para lidar com alguém em algum tipo de crise, mas no resto do ano ninguém fala nada.

Não existe uma lei que diga que você só pode falar sobre suicídio e doenças mentais no mês de setembro, por que então ninguém discute isso o tempo inteiro? Ou por que as pessoas só falam disso quando alguém famoso comete suicídio? Quantas vezes você não se afastou de alguém por que essa pessoa era muito negativa, ou deixou de chamar por que esse amigo nunca vai mesmo e não pensou que talvez essa pessoa estivesse passando por algum problema.

Quantas vezes você de fato perguntou tendo interesse se alguém estava bem? Ou viu alguém reclamando que estava passando por uma fase difícil e perguntou no que podia ajudar?



É o que o filme nos mostra, estamos todos falando sobre a importância da vida e de ajudar alguém que estava precisando quando se trata da garota privilegiada popular que já está morta, mas ninguém fez nada pelas outras pessoas que estavam sofrendo e se fez foi algo que as empurrou na direção errada.

Heathers não é a história mais fácil de pegar a moral se você não está querendo enxergar, porém eu fiquei realmente surpresa com o quão necessária e atemporal ela é. Por que honestamente se você só está compartilhando por que todo mundo está fazendo, será que você realmente está ajudando, será que você ao menos pensou sobre ou só seguiu a onda?

Nenhum comentário

Antes de comentar, leia nossa política de comentários!

Tecnologia do Blogger.