Como e por que começar a ler e-books, agora!


por Anne Caroline Quiangala

A maioria de nós, que pertence às gerações que viram a internet se desenvolver e ser disponibilizada largamente, costuma ter resistência quanto aos livros digitais. É recorrente ouvir alguém dizer que "gosta do cheiro" ou "não consegue ler PDF nem no computador"; há também o fetiche de colecionar (ou decorar a casa com livros) e, o mais convincente: "eu gosto de escrever comentários e de sublinhar frases interessantes". Em algum momento da minha vida, já pensei (e disse) cada uma dessas frases, assim como já achei veganismo uma prática exagerada, mas atualmente prático ambos. Com isso, não quero te convencer a fazer o que eu faço, apenas explicar o meu ponto de vista e processo de mudança, daí (quem sabe) fazer com que você pense sobre isso e aplique à sua maneira. Talvez, no fim deste texto, mudar o hábito faça sentido para você também!

1. Preâmbulo
Eu sempre achei os e-books caros, ao menos, todos os que eu queria. Com o tempo, fui percebendo que a maioria das autoras estrangeiras que eu gostaria de ler ou estavam com os títulos "físicos" esgotados, ou o valor excedia o absurdo; por outro lado, as bibliotecas virtuais, bem como Copyleft (tradução não autorizada) e outras formas de acesso, eram facilitadas por quem enxerga a importância do acesso a um tipo de conteúdo específico. Foi neste sentido que comecei a adquirir o hábito de ler textos em PDF, em letras grandes, no computador, grifando e comentando com o programa Foxit (Adobe sim é muito caro!). Ah sim, como leitora de quadrinhos sem grana ou inglês consistente, passei boa parte da vida lendo quadrinhos escaneados, sobretudo os que eram traduzidos por fãs e que não eram comercializados no Brasil, como o belíssimo e premiado Saga, do Brian K. Vaughan e da Fiona Staples (2012 - ...).

Em determinado momento eu me perguntei: "faz sentido, ler quadrinhos no celular e não ler romance?". A resposta que me pareceu óbvia foi "não", daí eu resolvi pesquisar os preços e qualidades de cada e-reeder (suportes para leitura de livros virtuais) como o Kindle (da empresa parceira Amazon), o Kobo e o Lev. Aquela altura, como leitora de quadrinhos coloridos como o já citado Saga e Batwoman (Novos 52), optei por comprar um tablet e ter o melhor dos dois mundos.

Saga tem arte belíssima de Fiona Staples

2. Tablet: primeira mudança de perspectiva
Comprei um modelo de tablet Samsung Galaxy TAB 3, objetivando fazer um investimento para alguns anos (inclusive como leitora de quadrinhos!). Ciente de que eu poderia poupar espaço em casa e ler o livro que eu quisesse, quando eu quisesse, baixei os seguintes aplicativos - importantíssimos para uma garota Nerd:


A) CDisplay

O CDisplay é um app levíssimo, disponível para Android, Windows e Linux. Por meio dele, você baixa os quadrinhos e lê no dispositivo que você tiver. Lembro que eu tinha um celular com tela pequena, mas meu interesse pelos quadrinhos impossíveis de adquirir àquela altura, me fizeram perseverar. Inclusive, Y: O Último Homem, o corpus da minha monografia de graduação, foi lido praticamente todo em Scan. Lógico que eu comprei tudo depois (antes desta versão definitiva atual), mas se fosse esperar chegar às bancas e livrarias, meu trabalho ainda estaria por fazer.

Confesso, também que foi (MUITO) frustrante ler, tanto Saga, quanto Batwoman no livro "físico" considerando que a tela do tablet e a minha televisão de Led dão uma experiência de cores muito mais sofisticada que as impressões nos estão proporcionando.

B) Kindle

Se você tem um dispositivo móvel (também há como baixar no PC), basta acessar a Playstore e baixar o aplicativo Kindle. Por meio dele, você tem acesso a um acervo gigantesco e diverso de livros grátis ou com preço acessível. A primeira vantagem é que você pode usar sua conta comum de comprar no site e associá-la ao seu celular, tablet ou computador.


Pesquise um tema que você está muito interessada em aprender, pesquisar e discutir ou um livro que deseje muito mais que qualquer coisa; leia a amostra grátis e veja se realmente é o que você quer; se não for gratuito, compare o valor de cada formato e veja se faz sentido adquirir como e-book ou não. Procure um livro que você precisa, não que apenas "queira", porque isso fará com que você não desista. Se o livro for em língua estrangeira, aproveite para baixar o dicionário da língua e ter uma imersão de qualidade, sem pausas longas!

C) Xodo

O aplicativo Xodo é um leitor de documentos em formato PDF. Nele você pode marcar, grifar e anotar ao longo do seu texto e consultar facilmente se precisar. Ao longo do mestrado eu usei muito esse recurso, porque a maioria dos textos teóricos estão digitalizados e me pareceu fazer pouco sentido imprimir tudo, se eu já tinha o tablet. Achei melhor "dar vida" ao TAB, como diria a minha mãe!


D) Evernote

Não sou uma pessoa metódica, mas tenho mania de comentar, linkar e tentar me aprofundar em tudo o que leio. Neste sentido, parte de mim é uma viciada em bullet journal e sketchnote , e a outra parte, a que anda de ônibus e tem ideias no fluxo do metrô, precisa de recursos para registrar ideias fugidias e organizar com etiqueta, foto etc, e o Evernote é a ferramenta mais completa para isso.


Inclusive, a própria equipe mantém um blog e envia e-mails regulares (em português) mostrando formas de melhorar o uso do app. Além de tudo isso, você pode adicionar o plug-in no navegador, guardar artigos com as etiquetas, nos cadernos, e sincronizar com outros dispositivos.

E) Keep

Keep é um aplicativo da Google que funciona de forma semelhante ao Evernote, exceto que é mais leve e ágil... Mas também é um registro cru de áudio, foto, texto (ou tudo junto) para ideias REALMENTE fugidias! A maioria dos meus textos para o blog são feitos neste aplicativo em transporte público ou fila de mercado, banco ou esperando alguém. É bacana o fato de cada nota poder ser tingida duma cor e, assim, organizarmos os temas ou tipos de registros, mas se você quer fonte diversa, tamanhos e cores foca no Evernote.


3. A PRIMEIRA Experiência com e-book pago - Aphro-ism
No meu caso, eu admiro muito o trabalho da filosofa estadunidense Aph Ko, e quando ela lançou a coletânea de ensaios Aphro-ism: essays on pop culture, feminism and Black veganism from two sisters, junto à sua irmã, eu decidi que queria ler, mesmo em inglês, mesmo que eu já fosse leitora assídua do blog homônimo, desde a fundação (fã é fã!). Eu precisava daquele livro.


O "livro físico" estava muito mais caro que o digital, então decidi arriscar e também apoiar uma autora que tanto me impacta positivamente. Primeiro baixei a versão grátis, aproveitei e explorei o aplicativo:

  • iluminação do app x do aparelho
  • tipo de letra (fonte)
  • tamanho da letra
  • ritmo de leitura
  • cor de fundo
  • tomar nota
  • destacar (cores)
  • dicionario e ferramentas de pesquisa

Quando comecei a ler Aphro-ism, eu já era vegetariana há alguns anos e (após varias conversas com pessoas que leem muito) eu estava num ponto de partida pra me tornar uma leitora mais versátil.

Neste ponto, quero salientar que o meu método de memorização é o de fazer mapa mental e sketchnote no bullet journal, mas de qualquer forma, a tela não-branca e não muito clara, me deixa mais concentrada e ciente do que tô lendo. Também é questão de treino.

Eu leio, pelo menos, três livros simultaneamente, fora os quadrinhos, os artigos e outras modalidades de texto. (Preciso dizer que eu gastava muitos minutos antes de sair, pra qualquer lugar que fosse, escolhendo o livro que me faria companhia?).

O processo de me habituar ao suporte digital, pra mim, estava relacionado à familiaridade com o aplicativo (depois de vários testes, optei pelo fundo preto, margem estreita, espaçamento normal, fonte Georgia, sinto conforto e consigo memorizar melhor o que leio). Assim que descobri um modo orgânico de carregar a levíssima biblioteca vida afora, vantagens como a sustentabilidade e/ou a dissolução do problema de espaço na minha casa, me fizeram mudar radicalmente meus hábitos de leitura sem culpa e sem dor. E você, já lê em formato digital? Ou já tá preparada pra começar?

Nenhum comentário

Antes de comentar, leia nossa política de comentários!

Tecnologia do Blogger.