segunda-feira, 11 de julho de 2016

UPDATES: MLI 2016 - Primeira semana (2)

O "encalhado" Epilético vol.2 e duas revistas de extra.

Faz uns bons anos que herdei a coleção de quadrinhos dum amigo querido, pois ele precisava de abrir espaço em todo canto do apartamento que estava cheio de álbuns, mangás e gibis. Dentre eles havia os dois volumes que compõem a obra de David B. Epilético. Confesso que já ouvira falar dessa "banda desenhada" ao participar das Jornadas de Romances Gráficos da Universidade de Brasília, quando tomei nota de vários outros como O Chinês Americano, Maus. Não me interessei de primeira.

Tentei ler duas vezes e acabou ficando de lado por uma questão estilistica: narrativa entrecortada por outras narrativas e o Epilético representado desde um estranhamento. Ele não é exatamente o protagonista como eu esperava que fosse. Assim, as 163 páginas do primeiro volume se arrastaram entre subtramas que me fizeram perder a noção do tema central; eram histórias que particularmente não me cativavam e que apareciam e sumiam na mesma surpresa.

Para ter certeza de que não desistiria dessa vez, escolhi essa narrativa gráfica para compor o corpus do artigo final da disciplina que cursei esse semestre - 75% de nota é bastante convincente!

Na virada de 02/07 para 03/07 eu terminei o que faltava do primeiro volume a fim de começar bem, e fui narrando pelo instragram a peleja, os post-it... e a paixão subta pelo jogo Remember me (Capcom, 2013 - Xbox 360).



Como podem conferir, o segundo volume foi o oposto! Comecei a ler sexta à noite e, sábado à tarde eu já havia devorado as 205 páginas! O que houve ?

Bom, enquanto o primeiro volume priorizou as tentativas de tratar da "doença" do irmão de David (aquela altura Pierre François) ramificando pelas historietas de cada líder, familiar, livro e influências, o segundo se propõe a discutir o ponto de vista do narrador e fica mais transparente "o porquê" e o "como" da obra. Encontramos uma linearidade e uma motivação no segundo volume que me interessa mais e, posso dizer que gostei.






Já essa empolgação me levou a ler Ultimate Marvel #11 (junho) de uma vez só. Não preciso repetir que estou adorando acompanhar essa revista (mix) protagonizada pelo Miles Morales, o Homem Aranha criado por Brian Michael Bendis (Alias, Vingadores a queda...). Essa edição apresenta continuidade de acontecimentos que não explicarei para não dar spoiler!!

Por fim, temos a Mundo dos super heróis n°75 - fev/2016, que eu não lia desde a edição que contava com uma lista de heróis negros (e que motivou minha pesquisa academica). Ela não é lá muito recente, mas chamou a atenção porque prometia uma linha do tempo do Homem Aranha Ultimate, uma matéria sobre as heroinas mainstream, um dossie de 75 anos do Capitão América e entrevista com Kelley Jones. O poster dos Lanternas Verdes não me interessou muito, aliás. Cabe salientar que a "super equipe" editorial de Mundo dos Super-herois é composta por 20 pessoas/equipes dentre as quais...UMA é mulher.

A sessão "recebemos" e "peneira pop", assim como as oito paginas finais de anúncios, dão uma certa desanimada, embora a edição seja interessante em termos de layout e conteúdo.

Em suma, já começamos a segunda semana e, desde já, agradecemos a companhia de vocês que têm interagido pelas redes sociais. Quais os seus planos para essa semana? Estão cumprindo as metas? O que têm achado desse desafio?


Curta e compartilhe pelas redes sociais:

Instragram: @pretanerdburning
Twitter: @pretaenerd
Facebook: /pretaenerd





Nenhum comentário:

Postar um comentário