9 links para aprender (mais) sobre Cinema Negro

Adélia Sampaio, cineasta brasileira


Por Anne Caroline Quiangala

A conceituação do Cinema Negro tem sido construída, em grande medida, pela abordagem da temática racial abrindo as portas para uma conscientização sobre os problemas sociais do país como declara Edileuza Souza em sua tese Cinema na Panela de Barro [1]. Por não tratar-se exclusivamente da presença de atrizes e atores negros, mas duma convergência de perspectiva, interesses e consciência viabilizados por realizadores, roteiristas, e equipe técnica.

Tendo isso em mente, segue uma lista de associações, coletivos, canais do YouTube e blogues que se dedicam à análise e/ou produção do Cinema Negro.

APAN

A Associação dxs Profissionais do Audiovisual Negro (A.P.A.N) é uma instituição de fomento, valorização e divulgação de realizações audiovisuais protagonizadas por negras e negros bem como a promoção de profissionais também negros para o mercado audiovisual.


COLETIVO NEGRAÇÃO

O Coletivo Negração sugere alguns filmes que trazem o conteúdo da população negra a tona. O debate do racismo, Cotas, Genocídio da População Negra

FÓRUM ITINERANTE DE CINEMA NEGRO (FICINE)

O Fórum Itinerante de Cinema Negro (FICINE) é um espaço de formação e reflexão sobre a produção mundial de cinema, fotografia e audiovisual que tem os/as negros/as como realizadores/as e as culturas e as experiências negras como tema principal. O conceito abrange cinematografias distintas que se estendem dos países africanos às suas diásporas. De Zózimo Bulbul no Brasil à Isaac Julien no Reino Unido. De Ousmane Sembene no Senegal à Julie Dash nos Estados Unidos. De Zezé Gamboa em Angola a Jhonny Hendrix Hinestroza na Colômbia.
Saiba mais: ficine.org

GELEDÉS

O portal de notícias Geledés apresenta não apenas análises fílmicas, como informações de produção e ensaios.
Saiba mais: www.geledes.org.br/tag/cinema-negro/

NÓ DE OITO

O Nó de Oito é um site de conteúdo criado com o objetivo de falar sobre assuntos sérios de forma leve e descontraída. Pensando nisso, fazemos principalmente análises, reflexões, críticas e resenhas de cultura pop sob um olhar feminista e com foco na representatividade de minorias. Dentre as colaboradoras, destaca-se a ativista e autora de "O que é empoderamento?", Joyce Beth.
Saiba mais: nodeoito.com/


THE GRAVEYARD SHIFT SISTERS

Graveyard Shift Sisters é uma plataforma online dedicada ao estudo e compartilhamento de pesquisas e bibliografia relacionadas a experiências, representações, conquistas e trabalhos criativos de mulheres negras e racializadas nos gêneros de horror e de ficção científica.


URSO DE LATA

Heitor Augusto é crítico de cinema, curador, professor e jornalista, além de Curador da mostra Cinema Negro: Capítulos de Uma História Fragmentada (Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte, 2018). Ele Mantém o site Urso de Lata, onde exercita uma escrita posicionada nas intersecções entre estética/encenação, raça e política/história.
Saiba mais: ursodelata.com

VALTER REGE

Valter Rege é cineasta e creator, formado em Rádio e Tv pelo Centro Universitário Belas Artes, produtor, diretor, roteirista e finalizador de filmes, possui um canal com seu nome que aborda temas como negritude, homossexualidade e periferia. Sua palestra "Da Favela Para as Telas" motiva jovens a não desistirem da carreira e o jovem diretor fala sobre plano de carreira e a importância de engajamento social para realização de metas além de abordar o preterimento do negro no mercado audiovisual. O curta-metragem "Preto No Branco" escrito e dirigido por Rege foi selecionado para o Toronto Black Film Festival 2018. O diretor ainda lançou o documentário "O Cinema Me Trouxe Aqui" que registra sua viagem, para o Canadá.


YASMIN THAYNÁ

Yasmin Thayná foi colunista no Nexo entre 2016 e 2018. É cineasta, diretora e fundadora da Afroflix, curadora da Flupp (Festa Literária das Periferias) e pesquisadora de audiovisual no ITS-Rio (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro). Dirigiu “Kbela, o filme”, uma experiência sobre ser mulher e tornar-se negra, “Batalhas”, sobre a primeira vez que teve um espetáculo de funk no Teatro Municipal do Rio de Janeiro e a série Afrotranscendence



[1] CINEMA NA PANELA DE BARRO: MULHERES NEGRAS, NARRATIVAS DE AMOR, AFETO E IDENTIDADE. Disponível em: repositorio.unb.br/bitstream/10482/17262/1/2013_EdileuzaPenhadeSouza.pdf

2 comentários:

  1. Aqui no Rio de Janeiro mais de dez anos com vários debates e cursos tem o CAN https://www.facebook.com/cineclubeatlanticonegro/

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia nossa política de comentários!

Tecnologia do Blogger.