A Amiga Gorda em Lady Bird

Contém spoilers

No final do ano passado assisti com muita expectativa ao filme Lady Bird (Greta Gerwig, 2017). No geral, a produção foi bem recepcionada pela crítica, e foi o único indicado a melhor filme da premiação do Oscar deste ano a ter uma mulher na direção. O fato de termos uma mulher dirigindo um filme que tem como protagonista outra mulher já é um bom motivo para conferirmos a história, cujo enredo apesar de não ser inovador acerta ao retratar de forma mais realista e por vezes desapaixonada a vida de uma adolescente que vive numa cidade pequena e vê (assim como em vários outros filmes sobre adolescentes estadunidenses) o fim do ensino médio e o ingresso numa faculdade como um momento de virada e início de uma nova vida.


Por Jaqueline Queiroz

A história é centrada sobre o ponto de vista de Christine McPherson (Saoirse Ronan) uma adolescente de 17 anos que prefere ser chamada de Lady Bird e que não aceita bem a condição de classe média baixa de sua família, além de sofrer com a ideia de não conseguir livrar-se da forma da vida entediante que acredita levar na pequena cidade de Sacramento. Lady Bird estuda como bolsista num colégio confessional católico e sua família está passando por uma fase de dificuldades financeiras. O pai está desempregado e com depressão, e por conta disso a mãe está trabalhando em mais de um turno num hospital para bancar todas as contas da casa.

A meu ver, a mãe Marion McPherson (Laurie Metcalf) é a melhor personagem da trama, pois ficou com ela o peso de sustentar financeiramente e psicologicamente a família que é composta também por um filho mais velho adotivo e não branco. Um dos pontos altos da narrativa ocorre quando é explorada a relação conflituosa entre mãe e filha, as atitudes egoístas da Lady Bird que se coadunam e são coerentes com a fase da adolescência são colocadas na parede pela mãe gerando os melhores diálogos do filme.

A AMIGA GORDA EM LADY BIRD
Dito isto, vou agora me ater a um ponto da história que me inquietou e chamou a minha atenção pelo fato de não ser a primeira vez que um tipo de personagem é retratado do mesmo jeito dentro da cultura pop. Estou falando da Amiga Gorda, aquela que dentro de algumas histórias é a melhor amiga da protagonista e vive praticamente em função dela, ouvindo e vendo as suas histórias como uma espécie de telespectadora, pois pressupõe que nunca poderá viver as mesmas experiências. Ela é responsável por ajudar a amiga magra a obter êxitos em seus planos, inclusive os amorosos.

Existe em inglês um termo próprio para isso o qual é bastante usado entre os adolescentes nos colégios nos Estados Unidos. Chama-se “The Duff” e significa “Designated ugly fat friend” que pode ser traduzido como “típica amiga feia e gorda”. Aqui no texto usaremos o termo Duff não como endosso a uma prática discriminatória, mas para exemplificar a ocorrência do uso do estereótipo de forma problemática. Mesmo quem não conhece o termo com certeza já viu uma Duff sendo retratada.

Barbara Holland, a Duff da primeira temporada de Stranger Things.

Celina, a Duff da novela teen mexicana Rebelde.

Em Lady Bird temos como Duff Julie Steffans (Beanie Feldstein ) uma menina insegura quanto a sua própria aparência e que tem na figura da Cristine como a sua única amiga dentro da escola. Filha de pais separados Julie é boa aluna, tira notas altas (ao contrário da Lady Bird que é mediana) e tem um crush pelo professor bonitão de matemática. O ponto problemático da personagem da Julie assim como das outras Duff é o fato da amiga gorda parecer estar sempre numa posição de subserviência e "coadjuvantismo", como se estivessem ali apenas para ajudar e ser ponto de apoio da amiga magra.

Lady Bird e Julia se desentendem num determinado momento do filme e param de se falar, o rompimento teve como motivo o fato de Lady Bird ter começado a dar mais atenção para outra amiga (magra) e estar mais próxima dos amigos do seu namorado. Compreender as relações de amizade como substituíveis é algo complicado e questionável, mas durante a adolescência esse transitar entre outros grupos e a facilidade em criar e romper amizades é muito comum. O ponto problemático para mim acontece na forma como a amizade entre a Julie e a Lady Bird é retomada.

Lady Bird e Julie.

Após seu namorado desistir de ir ao baile de formatura Lady Bird decide que vai assim mesmo e adivinhem quem ela vai procurar para não ir sozinha? Isso mesmo, a amiga gorda que ela deixou em standy by. Caberia nessa cena um diálogo franco com a Julie expondo seu ponto de vista sobre a forma com que foi tratada, mas isso não ocorre e as duas vão ao baile como se nada tivesse acontecido. Fiquei muito incomodada com essa cena porque dá a entender que a Julie estava o tempo todo esperando a amiga voltar e pronta pra dizer sim, sem ao menos conversar sobre o quanto a atitude da Lady Bird não foi a de uma boa amiga.

Vivemos numa sociedade gordofóbica, em que raramente é mostrado nas diversas mídias mulheres e meninas gordas em posição de enaltecimento e felicidade com o seu corpo. O desenrolar de uma cena que mostra a reconciliação de duas amigas sem debater o quanto a amiga magra era o elo problemático da relação com a amiga gorda é de certa forma um reforço à ideia de que a menina gorda é uma coadjuvante eterna sempre a espera do retorno da protagonista magra que dá sentido a sua vida. Num filme dirigido por uma mulher esperava mais sensibilidade no tocante a essa questão. Em tempos em que a palavra representatividade ganha força e é posta em prática ainda que de forma lenta, me surpreendo ao constatar o quanto ainda é diminuta a presença de mulheres e meninas gordas em posição de destaque dentro das produções midiáticas e que fujam do clichê da gorda divertida ou atrapalhada.

Fiz um esforço para lembrar alguma personagem gorda da cultura pop que conseguiu escapar do script comum de ser a Duff e a única que tenho como referência é a Velma do Scooby Doo, que não é necessariamente gorda, mas carrega fisicamente os signos que geralmente são atribuídos a uma Duff. A Velma dos desenhos foge a regra porque ela não está em uma posição de inferioridade em relação aos outros personagens, é peça fundamental para que os mistérios sejam resolvidos e tem sua personalidade de nerd bem construída e desenvolvida ao longo dos episódios.

Recentemente houve uma polêmica envolvendo a caracterização da personagem para um novo filme em live action. Nessa versão a Velma aparece como uma garota gorda, o que causou o descontentamento por parte de alguns.


A resposta dada diante da colocação machista e preconceituosa foi certeira ao identificar o que causou incomodo no criador da postagem. Na perspectiva de muitos homens as personagens femininas precisam sempre carregar os atributos que eles elegem como atrativos e a fuga dessa suposta regra é algo ruim além de ser culpa do Feminismo opressor e aniquilador de homens (contém ironia).

Uma maior presença quantitativa e qualitativa de mulheres e meninas gordas representadas no áudio visual teria como efeito positivo a diminuição de pensamentos como este. Sair da exceção e virar uma regra saudável dentro das narrativas faria com que as pessoas entendessem com mais naturalidade que as pessoas gordas podem ser protagonistas de uma história, assumir múltiplas características e funções e não apenas ser muleta para a personagem magra. Problematizar e combater os clichês como o da Duff é passo importante para que tenhamos representações mais responsáveis sobre as pessoas que não estão dentro do padrão imposto.

6 comentários:

  1. ADOREI ESSE POST! Incrível como eu nunca tinha pensado dessa forma! Como a amiga gorda nunca é retratada da mesma forma que a amiga magra, e essa representatividade realmente é uma coisa q eu nunca tinha parado pra pensar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do texto, Mikaelly!É isso,numa sociedade que impõe a magreza como padrão ideal de beleza a ser seguido vemos isso ecoar também na forma como as representações femininas que não estão neste padrão aparecem ( ou não) no cinema e na TV.

      Excluir
  2. adorei o post principalmente porque quando assisti lady Bird eu achei a personagem gorda MUITO mais legal que a protagonista, queria que ela tivesse mais cenas.
    Sobre personagens que gordas, a primeira personagem que lembrei foi da Tracy de Hairspray, ela é gorda, protagonista e tem um relacionamento com o cara mais bonito da escola.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou do texto Gabriela! Também achei a Julie mais legal que a Lady Bird. Eu não conheço Hairspray mas que bom que a personagem Tracy escapou de ser uma Duff.

      Excluir
  3. ~ me intrometendo com sucesso ~ Jaqueline, por favor corre para conferir Hairspray! Toca em pontos de representatividade importantes (ainda mais porque não foi feito numa época como agora que falamos mais sobre isso), como a questão dos negros na TV e garotas fora do padrão... É bem interessante o filme mostrar tanta indignada ao ver a garota gorda fazendo sucesso e sendo reconhecida pelo talento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, assim que der eu vou conferir Hairspray sim. Obrigada pela dica!

      Excluir

Antes de comentar, leia nossa política de comentários!

Tecnologia do Blogger.