Você conhece a blerDCon?

blerdcon

BlerDCon é uma convenção nerd que ocorreu entre sexta-feira, 30 de junho (inicio às 12h) a 2 de julho de 2017 (fim às 16h) em Washington DC. Se você for do tipo que ama Google Maps, divirta-se: Hyatt Crystal City, 2799 Jefferson Davis Hwy - Arlington, VA 22202.

COMO?


Graças ao sucesso do financiamento coletivo (Kickstarter), a BlerDCon ofereceu todos os serviços, experiências e estruturas tradicionais (expositores, painéis de convidadas, apresentações, workshops, torneios de videogame, concurso e cosplayers convidadas, beco de artistas, bandas e área de dança) e ainda proporcionou áreas próprias com atividades voltadas às crianças e um espaço seguro para fazer cosplay e discutir questões relacionadas às experiências minoritárias.

O QUE É BLERD?


A junção das palavras black (negro) e nerd (!) resulta no neologismo que define um segmento de público autointitulado preto e nerd (blerd) assim como preto e geek (bleek) e até preto e hipster (blipster - esse aprendi com a Roxane Gay). À medida que o universo geek foi sendo segmentado, as convenções passaram a falhar com uma parcela do público identificada como minoria social. No geral, a experiência de ser negra e nerd é:

"Mais uma vez, ter que justificar porque eu gosto de certas coisas, porque eu leio determinados livros e porque eu ajo de certa maneira" 
(Candice via Atlanta Blerd Star - tradução livre).

Neste sentido, uma imensa quantidade de nerds com experiências específicas, tanto de vida quanto ao a consumir produtos da cultura pop (não há como separar as duas coisas), passou a demandar convenções nas quais suas vozes fossem ouvidas. Essas pessoas são tanto grupos racializados (Negros, Asiáticos, Latinos), mulheres, portadores de necessidades especiais, LGBTQ, quanto outras experiências nerds do mundo todo. A proposta da BlerDCon é proporcionar a qualquer pessoa nerd uma experiência de pertencimento, descontração e discussão num ambiente seguro, totalmente livre de trolls

A BlerDCon se propôs a ser "a primeira convenção nerd realmente universal" (inclusive no que tange valores) e estar capacitada para receber nerds de todos os gêneros e com experiências distintas. Isso é perceptível nos eventos, torneios e painéis. Selecionamos as atividades que mais nos interessaram, mas você pode conferir links com a programação, o mapa e o folder completos.



RESUMO DO EVENTO


Uma publicação compartilhada por BlerDCon (@blerdcon) em



•Sexta feira- 30/06

No primeiro dia aconteceu o torneio de Yugioh cardgame (entrada por 10 dólares com direito a um pack inicial) e torneio de Mário Kart, Tetris e outros jogos pra plataforma Game Cube (!) além de Tekken 7 (Playstation 4). Também neste dia teve a apresentação dos comediantes Derek Williams e Charles Ellis entre 18:30 e 19:30, show de rappers e uma festa das 23h até às 2h regada a muitoa musica eletrônica e Kpop. Os painéis mais interessantes do dia foram:

- Todo mundo é gamer: como a taxonomia diversa redefine quem é gamer (por Anthony Ashford).


Gamer é uma palavra interessante, pois, diferente dos consumidores de outras multimídias como filmes e músicas esse termo define um gosto específico. Nós costumamos definir como gamer aquele individuo que tem orgulho do hobby e enxerga nisso uma exclusividade oposta aos grupos marginalizados. Pensar o ato de jogar em plataformas digitais somado à luta por justiça social pode mudar o conceito de gamer se todo mundo (até mesmo quem joga poucas horas) como tal. Para nós é um engajamento que nós encorajamos a todos a redefinir a ideia do que seja um gamer.


- Fandom diversificado: Mudando as dinâmicas do jornalismo nerd (Valerie Complex, Alex Aghahowa, Tanisha Kelly, Ira Hobbs and Kenneth Lyles)

Vivemos uma renascença nerd e geek. Mais do que nunca, influenciadores digitais e jornalistas racializados têm espaços para expressar suas perspectivas e reflexões sobre a cultura nerd. Desde o escândalo da Gamergate ao advento da BlerdNation vários pontos de fuga têm delineado o futuro. Mas como isso constroi o futuro? Qual a nossa missão, desafios e como podemos trabalhar no sentido de mudar o clima do universo nerd hoje.

Resultado de imagem para brown pretty nerdy on blerdcon
Um dos destaques deste dia foi a festa dançante promovida pelas youtubers Pretty, Brown and Nerdy. A playlist contou com remixes hip hop de temas de animes de jogos e melhores dançarinas e dançarinos ganharam prêmios ao longo da festa. Elas também apresentaram um painel chamado Nerd talk conversando com o público sobre diversos assuntos relacionados à cultura pop. 
- O Futuro do Afrofuturismo e da Ficção Especulativa Negra (William Jones, K Ceres Wright (autor), Chad Eric Smith (ator), Jaycen Wise (quadrinista), LH Moore (autor)

O crescimento e visibilidade de obras afrofuturistas é notável. Esse movimento criativo tem sido explorado em diversas mídias como filme, tv, hq, literatura e música, mas nos questionamos, onde chegaremos? A proposta deste painel foi discutir o conceito de afrofuturismo, sua urgência e seu futuro. Os painelistas discutiram os impactos sociais, políticos e econômicos do afrofuturismo e da ficção especulativa negra. 

- Anti-negritude no Fandom (Cleopatra from the Bronx, Isake Smith, Tony Ray, Jay Justice)

Esse painel promovido por blerds não-heterossexuais explorou o tópico de intersecção de raça, gênero e orientação sexual e cosplay. As painelistas são cosplayers com diferentes expertises, biotimos e interesses no diverso espectro do fandom, tanto na vida real quanto online. Infelizmente muitas histórias de preconceito e racismo foram relatadas. Segundo elas, é preciso desmantelar o estigma de "cosplaying como negra", simpatização LGBTQ, versões andrógenas ou que mudam gênero de personagem. A questão central é: como o público não-heterossexual negro pode empurrar de volta a ideia de que não há espaço pra gente no fandom?





•Sábado, 01/07

O evento de destaque deste dia foi sobre a Negritude em Star Trek (Star Trek into The Bleckness), as 10AM oferecido pelo The Black Tribbles. Segundo a equipe, "a presença Negra tem sido significativa ao longo de toda a história de Star Trek". Para eles, isso é perceptível graças às metáforas ligadas à afiliações políticas e de espécies, que estabelecem uma legítima representação da "cósmica diáspora africana". 
No painel O futuro das heroínas negras e multiculturais, a painelista Jazmin Truesdale discutiu a importância da presença heroínas multiculturais e como gostaríamos de vê-las representadas. Em Universo Nerd asiático-estadunidense e o objetivo de ser maneiro, Jo Fu, Joe Wang, Kim Nguyen, Jamie Noguchi discutiram a reivindicação de gostarem de animes, embranquecimento (whitewashing), ícones da cultura pop que são legais e asiáticos e também discutiram as formas disponíveis para nerds asiatico-estadunidenses apoiarem blerds.

Em A sensação de ser LGBT nas redes sociais, LGBT HQ (Matthew Levine, Jay Justice, Jazmine Cosplays, Nico Vasilo) discutiram o "sair do armário" nao apenas como LGBTQ, mas também como cosplayer. Também abordaram a diferença de percepção da experiência LGBTQ no mundo real e online e como isso afeta a atmosfera da cultura pop.

Outro painel interessante foi Por trás da criação: Diversidade na escrita promovido pela painelista 
Briana Lawrence. Para ela, "Quando você deseja mais diversidade, você deve produzi-la", mas isso não é tudo. Ela propôs uma discussão por três vias:a criação de obras mais diversas, a representatividade e o suporte do público. Já em Sobrevivendo como mulher feminista não branca com doença mental e cosplayer, LifebyMissy Cosplay, Queerly Femmetastic Cosplay, Delta Major, e Cleopatra do Bronx discutiram o estigma da sobreposição de identidades marginalizadas bem como as "possíveis soluções para que nossas irmãs possam cosplaying sem problemas".

Resultado de imagem para museum of science fiction
O Museu de Ficção Científica promoveu o painel O centro de gravidade da FC no qual os painelistas sugerem modos de motivar mudanças por meio do ensino de ciência, bem como discutiram temas como o impacto da FC na sociedade e como a tecnologia explora a sociedade.

Neste dia, o expositor DerpyCon ofereceu o torneio de Mortal Kombat vs DC Univserse (Playstation 3), Super Smash Bros. Melee (GameCube) e Marvel vs Capcom 2 (Playstation 3).


Uma publicação compartilhada por BlerDCon (@blerdcon) em


Áreas de torneio eletrônico


•Domingo, 02/07

Assim como houve paineis direcionados às crianças, no domingo o painel Garotas Geeks depois das sombras foi direcionada ao público adulto (+21). As mediadoras Bunny Wilson, Mandy Kitana e Phoenix Fya, discutiram a sexualidade e sua expressão através de hentai e animes, bem como a construção da confidencia a respeito de sexo/sexualidade para garotas introvertidas.

Em A construção dum espaço seguro para garotas negras gamers, as criadoras do grupo de Facebook e straming e Black Girl Gamers (Junae Bennett, Akua Harris, Anastasia Chase) discutiram a importância destes espaços, o medo de usar avatares reais e o medo de ridicularização e sobreposição de violências. Neste grupo, mulheres e garotas negras podem se expressar e são encorajadas a manterem os games como hábito livre de violências.

Resultado de imagem para Black Girl Gamers
Black Girl Gamers: um espaço seguro para nós

Você se sente confortável sendo geek? Neste painel, Brandon Dortch, Christopher Craig, London Fogg, Daron Cooper, Kevin Hinton questionaram essa identidade e sugeriram modos de apoio mútuo, para que sejamos mais confortáveis com o que somos. Abriram a discussão com as novas acepções de geek e como a sensação de conforto com outras identidades somadas a essa possibilitaram uma diferente imersão na cultura pop mainstream também influenciada por ela.

Imagem relacionada


Conclusão


Através da hashtag #blerdcon, tanto ino Instagram quanto no Twitter você pode conferir as impressões dos participantes, fotos e vídeos dos painéis bem como maravilhosos cosplays. Foi incrível acompanhar, ao longo dos três dias os stories do Instagram. A espontaneidade das interações é perceptível no quanto o público parece confortável. Recomendo que sigam a BlerDCon nas redes sociais (Twitter e Instagram) e acessem o site: www.blerdcon.com. Sem dúvidas, a qualidade, diversidade e estrutura deste evento mostra uma mudança de paradigma significativa no que diz respeito ao modo de vivenciar a cultura pop. Esperamos que esse pioneirismo seja replicado também aqui no Brasil, mas, por enquanto já me anima a notícia de o sucesso possibilitou a confirmação antecipada de que haverá BlerDCon ano que vem!







Nenhum comentário

Antes de comentar, leia nossa política de comentários!

Tecnologia do Blogger.